28 de abr de 2013

My Dear Nerd - Capítulo 4 - Nova Amiga

                  Fanfic / Fanfiction de Justin Bieber - My Dear Nerd - Capítulo 4 - Nova Amiga

POV ANNA
Bom mesmo sobe os protestos de Justin, matamos aula. Fomos para uma sorveteria, tomamos muito soverte, e no final pela insistência dele, o mesmo acabou pagando nossos sorvetes com o dinheiro do lanche que recebeu da mãe. Fomos até o Mc Donalds e nos entupimos da minha preciosa batatinha frita. Depois saimos, e fomos para um parque de diverssões, e ficamos por lá, aproximadamente por 2 ou 3 horas, e novamente nos enchemos de comida suculenta e gordurosa. Parecia até mentira que ocnsegui fazer com que ele engolisse algo cheio de gordura e carboidratos. Mas olha só se me chamarem de gorda, eu esgano! Há!
Bom depois de nos entupir-mos de comida nada nutritiva, resolvemos discançar um pouco, em um banquinho de uma pracinha que eu nem sabia que existia. E lá estavamos nós, sentados em um banquinho de uma praça conversando sobre coisas bobas. Descobri muitas coisas sobre ele. Descobri que ele faz aniversário em março, que a mãe dele se chama Pattie, que os pais são separados, e que tem irmãos por parte de pai. Comentou que gosta de roxo e doces. Disse que não tem amigos, e que sua mãe trabalha muito para poder mante-los bem e confortávelmente e que, certas vezes no passado ficou sem ter o que comer. Contou que em alguns finais de semana vai visitar o pai, e irmãos em uma outra cidade.
Também contei muitas coisas sobre mim. Contei que também sou filha de pais separados, entre muitas outras coisas. Nós riamos como se nos conhecesemos a muito tempo. Justin era uma ótima companhia. Era um garoto sem maldade. Era ou parecia ser uma boa pessoa, e amigo. Além de ser super engraçado, divertido. O único problema eram suas piadas. Tipo, elas não tinham graça nenhuma. Como essas que ele tá contando agora.
– Quer escutar mais uma piada?- perguntou ele, sorrindo largo pra mim.
– Ah, não sei. Você não é muito bom em piadas.- comentei, sorrindo amarelo. Ele riu.
– Eu prometo que essa vai ser engraçada!- confirmou Justin balançando a cabeça positivamente. Sorri pra ele. Não custa tentar né?
– Tá bom. Conta.- respondi vencida por ele.
– Bom, tinha dois caras no barbeiro. Ai o cara passou a lâmina no outro e fez barulho. Ai o outro perguntou: cortou? E outro respondeu: nãããããão! Só arrancou o couro!- dizia ele em meio as risadas. Não me controlei e gargalhei. Não foi pela piada em sí que foi um fiasco. Mas sim, pelo jeito que ele falava fazendo gestos engraçados com as mãos. Pouco a pouco parei de rir, sentindo o olhar dele em mim. Olhei pra ele, curiosa.
– O que foi? Algum problema?- perguntei vendo ele olhar para um possivel canto específico do meu rosto.
– É que sua boca tá suja.- respondeu ele rindo, ainda me olhando de um jeito estranho. Ah tá. Passei a mão pela boca, tentando limpar a sujera. Ele riu.
– Ainda tá sujo. Você come sorvete por onde? Daqui a pouco, vai comer sorvete pelos cabelos!- afirmou ele risonho. Se aproximou de mim, passando o dedo indicador pelo canto da minha boca. Limpou a sujeira, mas permaneceu com o dedo em meus lábios os observando com certa intensidade. Passava o dedo, contornando meus lábios lentamente, como se os desenhasse. Ai caramba, será que ele ficou lelé? Ninguém nunca olhou pra minha boca assim, além o meu ex-namorado. Ele tá me deixando nervosinha. Carácoles.
 – Tá limpo?- perguntei. E em poucos segundos pude ver ele balançar a cabeça para os lados. Provavelmente voltando ao mundo real.
– Tá si-sim. – gaguejou ele novamente em resposta, afastando-se um pouco. Talvez nervoso.
– Hum... Justin poço te fazer uma pergunta?- falei receosa, o encarando.
– Claro. O que você quer saber?- respondeu ele, também me olhando. Respirei fundo. Eu precisava saber. Sou curiosa, fazer o que?
– Hum... é sobre aquela garota... que... tava falando mau de você.- falei devagar, vendo ele suspirar e encarar o chão.
- Olha, se não quiser falar, tudo bem eu enten...
– Não tudo bem, Mel. Eu preciso desabafar com alguém. –suspirou, pegando em minhas mãos, colocando-a entre as suas. Eu o olhava atenta. – bom, o nome dela é Britney é a capitã das líderes de torcida. Eu sempre achei ela bonita, bom até... - parou aos poucos de falar, me encarando sorrindo de lado. Alisando minhas mãos com o dedo indicador.
– Bom, e como os rapazes da escola, eu queria sair com ela. Mas tinha vergonha. Não queria que ela me desse um fora. Até que um dia, ela veio até mim. Então começamos a coversar, e ela falou que gostava de mim, e me pediu desculpas por tudo o que me fez no passado e eu perdoei. Depois, ela me convidou para um baile que tem na escola todos os anos. Eu nunca ia pra esses tipos de festa, afinal ninguém gostava de mim.- parou respirando fundo. Tadinho.
– Eu sinto muito. - falei doce e sincera.
– No começo eu recusei, mas como ela insistiu muito acabei indo. Chegamos na festa, e depois de algum tempo na festa, ela me humilhou na frente de todo mundo. Foi horrivel. Todos riam de mim, enquanto ela dizia que nunca me amou, e que fui um idiota por acreditar nela. Foi terrivel. Depois de finalmente não ter mais nada a falar sobre mim, os conhecidos dela do time de futebol me arrastaram para o banheiro, e me bateram. Até coloraram minha cabeça dentro do vaso sanitário. Foi o pior dia da minha vida. - concluiu ele. Até que notei, que uma lágrima escorreu molhando seu rosto. Sorri de lado, e com a mão livre limpei a lágrima até onde podia, já que o óculos atrapalhava.
– Eu sinto tanto por isso, Justin. Sério, você é tão legal, divertido, engraçado. Não deveria ser assim. As coisas não deveriam ser assim, as pessoas não deveriam ser tão crueis. Se essa Britney oxigenada, soubesse o quanto você é maravilhoso jamais faria isso.- comentei sincera, vendo ele sorrir fraquinho de lado.
– Sério? Acha isso mesmo de mim? Ou vai fazer que nem Britney, e me machucar de novo?- perguntou Justin baixinho. Sentei mais perto dele. Bem perto.
– Eu nunca vou fazer o que ela fez. Não quero perder essa pessoa maravilhosa que você é Justin. Nunca! Nos conhecemos hoje, mas já me considero sua amiga. Melhor amiga. Não vou deixar ninguém mais fazer mau a você.- respondi com aquele sorrisão, fazendo ele sorrir também, me abraçando.
– Obrigada, Mel. De verdade.- sussurrou ele no meu ouvido me fazendo sorrir ainda mais. Preciso dizer que, o abraço dele é maravilhoso e que, seu perfume era incrivel? Não, né? Acho que teremos um grande futuro pela frente. Ai ai. Eu amo o abraço dele! Hehehe

POV JUSTIN
Caramba, ela era incrivel. Me defendeu duas vezes no mesmo dia, e mal me conhecia. Anna Mel era doce, gentiu, engraçada, e linda. Certo que Britney e Ashley eram as garotas que eram consideradas por mim, as mais lindas da escola. Mas depois de conhecer a Mel, cara ela é mais linda do que qualquer uma. Ela tinha traços, que eram anjelicais, e ao mesmo tempo, tinha um pouco aquele ar de misteriosa. Além de linda, ela era uma pessoa maravilhosa. Foi a primeira garota que me defendeu, me abraçou e que foi sincera comigo. Que riu com algumas das minhas piadas, que convenhamos não são lá essas coisas. Principalemte a da galinha que atravessa a rua. Essa é totalmente sem graça, admito.

Eu sentia que ela era sincera comigo. Até por que, quem defenderia uma pessoa que mal conhece? Ninguém nunca fez isso por mim. O máximo que Ashley fez por mim, foi me olhar com pena, como se quisesse me ajudar, mas estava com medo demais pra isso. Medo de ser julgada pelas pessoas da escola. Como sem sombra de dúvidas fariam com Anna Mel, mas ela não parecia se importar com isso. Ela só queria ser minha amiga. Era realmente a primeira vez que isso acontecia. Nenhuma garota queria papo comigo, e quando falavam comigo era pra me humilhar e iludir, pra me fazer de gozação. Mas eu acho, espero, desejo que Anna Mel seja diferente dessas garotas daqui.

[...]
POV ANNA
Bom, depois daquele dia maravilhoso, tive que voltar pra casa. E mais uma vez, ir pra escola. Geralmente, na minha antiga vida no Brasil eu estaria na cama enrrolando pra levantar, mas até que acordei cedo, e me vesti rápido. Com a bolça já nos ombros, desci as escadas, pegando a minha maçã verde preferida. Minha mãe, fazia algumas torradas, toda a trapalhada. Ela não é muito boa na cosinha geralmente, sempre sai uma panela com o fundo queimado. Ou seja, eu faço a comida, e ela lava a louça. Ela sorriu pra mim, me estendendo um prato com algumas torradas. É e ainda por cima queimadas. Puf!
– Olá querida, acordou cedo. Deu formiga na cama, Anna Mel? - perguntou ela risonha. Fiz cara engraçada, mordendo minha maçã.
– Pois é. Acho que as formigas estavam fugindo de você, e sua comida queimada.- brinquei, vendo ela rir.
– Não vai comer minhas torradas, mocinha?- brincou ela, ainda rindo.
– Não obrigada, não quero fugir igual as formigas. Tchau!- respondi caminhado para fora da cozinha.
– Até logo querida. Tenha um bom dia na escola! -Gritou ela em resposta da cozinha.
[...]
Tempos depois, cheguei finalmente a escola. Assim que botei os pés na mesma, as pessoas olharam pra mim novamente. Mas não como se eu fosse um et, como ontem mas sim, como se eu fosse popular. Nossa, que gente estranha! Passei pelas, pessoas a fim de chegar no meu armário. Mas durante o caminho, eu vi um garoto cheio de livros. Todo atrapalhado, tentando por os livros, dentro do armário. Sorri, reconhecendo quem era. Sim, era o meu nerd fofo. Passei pelas pessoas, ficando atrás dele.
– Precisa de ajuda?- perguntei. Mas como ele não esperava, assustado deixou cair os livros que estavam em suas mãos. Justin se virou pra mim, e suspirou aliviado.
– Nossa, que susto! Quer me matar do coração?- perguntou ele, risonho se abaixando para pegar os livros, que por sinal eram bem grossos. O ajudei com os livros, os colocando dentro do armário.
– Me desculpa. Mas, pra que tantos livros? Você vem de casa, com todo esse peso nas mãos?- perguntei assustada. Cara, cê viu a grossura dos livros que ele tava levando? Eram de impresionar até um cavalo.
– É, mas eu já tô acostumado. Sou forte!- disse ele, fazendo posse. Eu ri dele.
– Bobo!- brinquei, fazendo agora ele rir.
– Oi gente linda! Com saudades de mim? É claro que sentiram!- falava alguém atrás de mim. Me virei vendo que era a rosinha. Ou seja, Ashley.
– Ashley o que você faz aqui?- perguntei de sobrancelha arqueada.
– Eu vim falar com os meus amigos. Problema nisso?- respondeu ela, em forma de pergunta.
– Não, mas...
– Eai Justin tudo na paz?- falava a loira para o garoto de óculos ao meu lado. O mesmo, arregalou os olhos assustado.
– O que? Você tá falando comigo? Sério?- perguntou ele, inacreditável assim como eu.
– Claro que estou. É que, a Anna me falou algumas coisinhas ontem, e tive que queimar os meus miolos pensando e pensando. E decidi que vou ser sua amiga. Claro se você quiser, por que a Anna já é!- respondeu ela. Justin sorriu pra ela, e depois olhou pra mim.
– Caramba, sério?- perguntou ele, contente.
– É!
– E não tem medo do que as pessoas vão falar?
– Não. Se a Anna Mel não se importa eu também não. Agora você vai ter duas defençoras lindas e poderosas, pra cuidar de você! Certo, Anna Mel?- perguntou ela rindo. Acenti também sorrindo.
– Claro! - respondi risonha. O sinal tocou. Justin ficou no meio de nois duas, estendendo os braços, brincalhão.
– Senhoritas... - falou ele. Rimos, nos apoiando no braço dele, uma de cada lado.
– Senhor... - dissemos, e aos risos caminhamos juntos em direção a sala de aula.

0 comentários:

Postar um comentário

About

 

Fanfics para Belieber Template by Ipietoon Cute Blog Design and Bukit Gambang