12 de out de 2013

My Dear Nerd - What If - Capítulo 49 - What If?...


POV ANNA
Olhei para dentro do saquinho e resmunguei baixo. É, a pipoca tinha realmente acabado. Odiava quando isso acontecia. Levantei do sofá e amacei o saquinho da pipoca de microondas nas mãos, andando assim até a cozinha. Deixei ele no lixo e abri a geladeira a procura da torta que a mãe da Ashley tinha comprado. Sorri quando a vi e fui rápida para pegar os talheres e pratos, tirando uma fatia bem grandona para mim. Era de chocolate e tinha um recheio de morango maravilhoso, a mãe dela tem que comprar torta mais vezes. É claro que nem tudo são flores, e meu momento de felicidade foi cortado por um barulho estranho vindo do andar de cima. Os pais da loira tinham ido viajar, e a menos que ela esteja chutando as coisas por causa da unha quebrada, realmente não sei o que está acontecendo.
- Deixa pra lá. Aqui está muito mais interessante. - falei para mim mesma olhando a bela torta e dei outra garfada. Tentei ignorar o barulhinho e minha curiosidade, afinal, estava morrendo de fome, mas isso não durou muito tempo. Sim, porque eu levantei do balcão e limpei a boca - só saí da cozinha depois de ter comido a torta inteira é claro, acha que eu ia deixar a tadinha ali, para qualquer um comer? - e andei na direção das escadas, lentamente, ouvindo com atenção para entender o que era aquele barulho que tinha mais do que interrompido meu momento feliz com a comida.
- Pera... Mas o que é isso? - resmunguei para mim mesma, andando mais rápido na direção do quarto da loira. Parei a porta do quarto, quase colando meu ouvido a madeira da porta.
- Ainda dói? - era a voz de Damon, só que muito carinhosa e preocupada.
- Não. Você pode continuar agora, pessoa que me ama. - respondeu Ash e pude ouvir ele dar uma risadinha. Ah é, né? Vamos ver, vamos ver! Corri até meu quarto e tirei de dentro do closet o meu bastão de basebol. Fechei a porta, tornei a andar na direção do quarto da loira e parei novamente a frente da porta. Eu não posso nem sair da casa do meu namorado e comer em paz depois disso que esse povo já fica assim quando dou as costas?
- Você é maravilhosa. Eu te amo. - ele dizia entre um gemi... Pera! Agora já chega! Abri a porta que a burrinha deixou destrancada - iniciantes - e quando ela bateu do outro lado eles pararam imediatamente o que faziam e me olharam assustados. Eu sabia que eles tinham mais medo de mim do que do pai dela. Acho que vocês entendem o porque.
- Ela é maravilhosa, não é? Vamos ver se você gosta do meu amiguinho aqui.
- Anna eu posso explicar! - tentou ele, ficando de joelhos na cama, com as coisas cobertas pelo lençol. Ashley fazia o mesmo, seus olhos azuis não negavam que estava com medo. Vou bater em você também!
- Explique então. - ele não sabia o que dizer, provavelmente não esperava que eu fosse fazer aquilo. E sabendo muito bem disso, dei alguns passos assustadoramente lentos até eles. Seus fornicadores de uma figa!
- A-abelha, larga isso, não estávamos fazendo nada de mais. - tentou ela. Eu ri, segurando-o ainda mais firme, andando lentamente para perto da cama. É hoje que ela fica sem traseiro!
- Nada de mais? Eu não posso nem sair por algumas horas e você já vai atrás dela pra fazer isso? - me dirigi a Damon. - EU. VOU. ACABAR. COM. A. SUA. RAÇA! - gritei antes de sair correndo atrás dele. Estávamos correndo em voltas pelo quarto, mas não me importava pelo fato dele estar pelado. Eu só queria acertar duas coisas pelas quais sem ele não viveria. - Vou dar uma tacada em você, seu infeliz! - continuei gritando. Eu já tinha acertado o taco nele por umas duas vezes no traseiro.
- Anna, por favor, não faz isso. - pedia ele. Correu até a loira e puxou-a para sua frente, usando-a como escudo. Ela se cobriu ainda mais com o lençol, tinha os olhos arregalados, mas eles, os olhos, não foram a única coisa que ela arregalou hoje, por assim dizer.
- É tarde demais não acha?
- Para, eu sei que você me ama e não vive sem minha beleza linda, mas não faz isso não. - pedia ela.
- Não fazer? Ele abusou da sua inocência!
- Mas foi eu que pedi pra ele fazer. Eu também quero fornicutar. - rebateu nervosa. Piscava meus olhos involuntariamente por várias vezes seguidas sem acreditar. Eu acho que vou desmaiar.
- Anna? Anna acorda. Anna Mel! - senti alguém me empurrar o ombro, mas quando olhei para o lado não estava mais no quarto rosa - de doer os olhos - da Ashley. E sim na cama, ao lado de Justin - que estava do jeitinho que veio ao mundo, hehe - me olhando estranho. - Você está bem?
- Como assim? Desculpa, eu não posso falar com você agora, eu tenho dois idiotas para assassinar.
- O que? Como assim?
- Ashley e Damon, os dois aproveitaram para fornicar enquanto eu não estava em casa e...
- Mas você nem saiu daqui.
- Oi?
- Ashley saiu para jantar com os pais, Anna. Ela ligou para cá dizendo que tinha comprado comida pra você também. Tá tudo bem, ela está segura, foi só um sonho.
- Na verdade é pesadelo, mas tem certeza disso? Por que, tipo, tinha comida.
- Tenho certeza sim, você ficou esse tempo inteiro comigo, mas era tudo um sonho, digo, pesadelo. - tentou tranquilizar. Sentei na cama, tentando arrumar os cabelos e peguei o celular da mesa de cabeceira.
- O que vai fazer? - perguntou ele. Disquei os números e esperei que ela atendesse a minha ligação.
- Quem é que me ama que interrompe meu sono da beleza?
- Sou eu Ashley, você está na sua casa? No seu quarto e sozinha? Seus pais estão aí com você? - saí perguntando.
- Bom dia pra você também, flor que me ama. - resmungou.
- Responde Ashley.
- Não antes de dizer que me ama. - insistiu ela.
- Tá bom eu te amo loira. Agora me responde.
- Eu estava sozinha, porque você acabou de me tirar de um sonho lindo, onde eu estava, era a namorada do Leonardo DiCaprio.
- Não acha que é demais? Eu não posso chutar o traseiro dele, ele é famoso, tem seguranças demais. - argumentei e ela riu.
- O que você quer, abelha? Eu preciso descansar, to com sono. Do jeito que cê tá falando, até parece que eu aproveitei que você não tava por perto pra fornicutar com o Damon. - comentou simples, provavelmente coçando os olhos.
- Mas você não fornicutou com ele, não é?
- É claro que não, Abelha! Mas que pergunta! Mamãe Rosa! - reclamou irritadinha. - E além do mais, você precisa dizer o que tanto queria para me acordar desse jeito, e ainda por cima, não dizer que me ama.
- Mas eu falei que te amo.
- Ah é.
- Então, diz o que foi.
- Nada não. Te vejo na escola.
- Como assim, nada não? Você me acordou do meu sonho maravilhoso sua abelha vaca!
- Tchau Ashley. - desliguei o telefone o repondo em seu lugar de origem, respirando completamente aliviada.
- Viu? Eu disse que tava tudo bem, não precisa se preocupar, o Damon tem medo de perder o traseiro. - ele falou, já sentado ao meu lado, rindo como um bobo. Abracei seu corpo, apoiando a cabeça na curva do seu ombro. Depois eu percebi que o lençol não estava fazendo seu papel de cobrir tão bem, quando vi o Bieber II bem ali. Eu ri sapeca. Justin acompanhou meu olhar e ficou muito vermelho.
- Você realmente quer me deixar exausta hoje, não é? - perguntei ainda rindo. Ele ficou ainda mais envergonhado. Sentei em seu colo e deixei um beijinho na sua bochecha.
- Nós vamos perder a hora de ir para a escola, querida. - comentou como se estivesse em luta interna para dizer aquilo.
- Você quer ir pra escola?
- É meu último dia. - respondeu. Ele tentava parecer firme, mas eu via que seus olhos davam atenção para meus seios descobertos. Não parava de olhar para eles.
- Vou te dar duas escolhas bem simples. - comecei tentando ser sexy. Justin deu alguns segundos de atenção para meus olhos. - Ou você levanta agora e vai pra aquela escola chata, ou...
- Ou?... - me incentivou a continuar. Cheguei bem perto de seu ouvido.
- Fica aqui comigo e bem,... Faz você-sabe-oque. - pude sentir que ele se arrepiou ao me sentir tão perto e assim tornei a encarar seu rosto a espera de uma resposta. - Então, o que você escolhe? - mordi os lábios.
- Escolho você, com certeza. - mal tive tempo de raciocinar quando ele atacou meus lábios com um beijo de tirar o fôlego.  Seus braços rodeavam minha cintura, enquanto os meus, faziam o mesmo com seu pescoço. Rebolei em seu colo, prensando meu corpo no seu. Uma de suas mãos passeava calmamente pela minha coxa, retornou fazendo carinhos em minha barriga e apertou um dos meus seios. Interrompi o beijo para gemer baixinho.
- Você é muito levadinho.
- Tem certeza de que sou o levadinho entre nós? - respondeu e eu ri. Comecei a deixar pequenos beijos em seu pescoço. - Você está abusando de mim.
- Mas você adora quando abuso de você.
- Odeio o jeito que me conhece tão bem. - comentou e aquilo novamente me fez rir. Tomei sua boca em mais um beijo ardente, sem parar de rebolar em cima do seu Bieber II.
- Justin querido? Está acordado? - ouvi a voz de Pattie do outro lado da porta. Não parei o que fazia, mas Justin parecia estar em pânico.
- E-estou sim, mamãe. - gaguejou segurando minha cabeça. - Pa-pare com isso, ela vai nos pegar aqui e assim. - falou para mim em um sussurro.
- Eu vou precisar sair para resolver algumas coisas do trabalho. Não esqueça, você tem aula hoje, não se atrase querido.
- Sim, mãe. - respondeu.
- E Anna Mel está acordada? - tornou a perguntar.
- No banho. - respondeu ele mentiroso.
- Diga a ela que deixei comida na geladeira, e tem bolo pronto. - parei o que fazia ao ouvir que tinha comida na cozinha, comida em abundância. Justin me olhou indignado.
- Comida. - sussurrei para mim mesma.
- Eu já vou então, querido. Mande abraços para ela sim?
- Tudo bem, mãe. - respondeu. Minha barriga roncou. Estou com fome, ué, não tente me culpar por ser eu mesma. Estou com fome, e pronto. Hum!
- Não se atrasem. Amo vocês, beijos. - se despediu.
- Também te amo mãe. - respondeu ele. Ouvimos passos se distanciando. Quando a porta da sala bateu, ele tornou a me olhar, me repreendendo por ter parado. - Porque parou?
- Tem comida lá embaixo.
- E você vai me deixar assim?
- É rapidinho. - tentei. Ele fez uma carinha triste e olhei para baixo novamente. Certo, decida-se, qual é a sua prioridade? Mas que droga, por que ele tinha que ter um equipamento tão atraente? - Ah, tudo bem, depois eu como. - resmunguei e o beijei novamente ainda ouvindo ele rir. Que foi? Estou com fome!
[...]
Ainda no Mesmo Dia, Mais Tarde...
 Fala sério, eu já disse para eles pararem com essa sessão sacanagem, eles são surdos ou o que? Enquanto a moça colocava os pedidos nas bandejas, e minha barriga roncava, olhei para trás, vendo Damon sentar perto de Ashley.
- Ele quer, com toda a certeza do mundo, ter um traseiro deficiente. - reclamei me virando novamente. Que batatinhas bonitas. Estou com fome, que demora desgramada!
- Não acha que chegou a hora dela ver por si mesma, se ele é ou não suficientemente bom pra ela? - retrucou Justin ao meu lado. Neguei com a cabeça.
- Tá doido? Conheço muito bem aquela cabecinha de vento, ela é muito bobinha. - respondi. Ele riu. - Vem cá, porque ela tinha que crescer tão rápido? Porque ela não pode ter onze anos para sempre? - continuei a reclamar e tudo que meu namorado fez foi rir enquanto beijava minha bochecha.
- Aqui está seu pedido, fofinho. - falou a garçonete arrumando o boné vermelho do McDonalds. É, ela tava flertando com o Juju... Pera!... HEY, ELA TAVA FLERTANDO COM O MEU JUJU!
- Você gosta do seu traseiro? - perguntei fazendo minha melhor cara de ameaça. Ela não entendeu. - É melhor medir as palavras, porque a namorada dele está falando com você neste exato momento.
- Mas...
- Você sabe pra serve uma faca, não é? Ótimo. - pisquei e com a maior calma do mundo, peguei a outra bandeja e saí andando até a mesa em que os dois - Ash e Damon - estavam. Deixei minhas coisas sobre a mesa e sentei perto da minha loira. Damon se afastou um pouquinho, mas para mim ainda foi pouco. Justin fez o mesmo, sentando ao meu lado com um sorriso idiota na cara. Ué, o que deu nele?
- Você ficou uma graça com ciúmes. - comentou ele olhando pra mim. Ah tá, era isso.
- Ciúmes? Aquela flertadeira de uma figa merece é ser jogada dentro o óleo que usam pra fazer as batatas fritas. Depois de fritá-las é claro. Se bem que, não posso contaminar o lugar onde assam a minha perfeita batatinha frita, seria até um elogio para aquela vaca sem pés!
- Flertadeira? Vaca sem pés? Oi? Essa palavra nem existe! - exclamou Damon.
- Inventei agora, problema? Além do mais, não estava com ciúmes cuidei do que ainda é meu e isso não é pecado. - retruquei levando uma batatinha a boca. Peguei o hambúrguer - muito lindo e sensual - e dei uma bela de uma mordida. Que gostoso!
- Nossa, Jujubona, essa é uma das raras vezes que vejo você comendo fast-food. Afinal, você até fez um sanduíche de cenoura e outras coisinhas e comeu tudinho e ainda disse que estava bom e que era muito saudável. - comentou Ashley, me fazendo arregalar os olhos ao ver ele dando um belo gole no refrigerante.
- E mudando de assunto, como vai o namoro de vocês? - retrucou meu nerd.
- Namoro? Acho que você está desjujubando, eles não estão namorando. Não são namorados e jamais irão pensar em namorar. - falei assim que minha boca estava livre. Mas que conversa é essa?
- É, não estamos namorando, de onde você tirou essa ideia? - perguntou Damon nervoso, sem tirar os olhos de mim. Não precisei parar de comer para ser suficientemente ameaçadora. Depois de mais algumas mordidas, percebi que o hambúrguer tinha acabado e me refugiei nas batatinhas fritas. Estavam gostosas, mas ainda tinha vontade de chutar o traseiro do Damon. - E como você está se sentindo? É sua última noite aqui. - continuou ele. Ah tá, precisava lembrar que ele vai embora amanhã?
- Eu gosto desse Milk shake. - comentou meu nerd não respondendo a pergunta do futuro Desbundado, mais conhecido como Damon.
- Jujubona, quando você ficar famoso, você me arruma mais livros que nem aquele outro, o Unha do Meu Coração? Eu gostei muito. - comentou a loira. Ele riu.
- Tudo bem.
- E você, Abelha?
- Eu o que?
- Porque tá tão caladinha? Olha, não gosto quando pessoas que me amam, que não vivem sem mim e minha beleza, estão tristes demais, não dizendo o quanto me amam.
- Eu tô comendo, ué! - respondi levando outra batata à boca. Ok, eu tava triste porque o meu nerd ia embora, mas ela não precisava saber. Ela não tinha se convencido com minha resposta, mas mesmo assim não insistiu na mesma conversa.
- Vou fazer mexas cor de rosa no cabelo, o que acham pessoas que me amam?
- Você fica linda de qualquer jeito. - elogiou Damon.
- É, nós sabemos que ela é linda. - resmunguei encarando o moreno. Ele riu nervoso e sugou o refrigerante pelo canudinho.
- Brigadinha, eu sei que me amam, mas não briguem por mim aqui, vai ofender minha beleza. - falou ela. Justin riu, mas eu observei outra coisa.
- Hey, eu já disse pra parar de comer as minhas coisas!
- Mas não estou fazendo nada de mais, ué!
- Vou precisar sequestrar todos os seus esmaltes?
- Não faça isso, eles são seres inocentes. Por favor, assim você me deixa falecida de esmaltes.
- Você é falecida de cérebro isso sim. - resmunguei sugando o refrigerante pelo canudinho.
- Achei ofensivo Abelha. É claro que tenho um cérebro, ele só é um pouco mais lento pra funcionar, porque está admirando a beleza de sua dona. - enquanto ela resmungava, eu peguei da sua bandeja tudo que podia. Uma pena foi que ela acabou reparando que a comida era dela quando eu mordi o hambúrguer. - Hey, pare de roubar o que é meu!
- A culpa é do Justin. - apontei para ele de boca cheia.
- Minha? Mas porque, o que foi que eu fiz? - perguntou quase se engasgando com a comida. Tadinho, ele tava comendo, não se faz isso com alguém quando se está comendo. Você é muito malvada, Anna.
- Me obrigou a roubar a comida da loira e... Hey, devolve!
- Nada disso, o que é meu é meu.
- Não é sua é minha, diz pra ela, Justin.
- Sua uma pinóia! É minha, minha, minha e minha! - ela reclamou.
- Quer saber? - Damon tirou o Hambúrguer da mão da loira. - Para acabar com essa briga... - deu uma mordida tão grande que quase não sobra nada. Sabe aquele tique nervoso de raiva? Pois é, eu e Ashley estávamos assim. - ...Agora nem uma nem outra. - deu de ombros. A loira e eu nos olhamos e encaramos aquele ser de olhos semi serrados. Ele olhou para as duas e riu nervoso. É hoje que ele morre!
[...]
Ouçam Jason Derulo - What If  (Karaoke) 
- Esse é o melhor piquenique de quintal que já tive. - falou ele dando uma garfada na torta - que sem querer me gabar, estava muito boa porque eu fiz - e sorriu para mim. O por-do-sol era ainda mais lindo daqui.
- Você já teve algum piquenique assim?
- Não, mas não preciso de mais outros para ter certeza de que esse é o melhor.
- Mentiroso. - brinquei rindo.
- É verdade! - riu. - Sério! Você fez tudo isso pra mim; é a comida mais gostosa que já comi. - comentou contente.
- Vou deixar você gordo o suficiente para não passar pelo portão de desembarque. - brinquei.
- Ai que maldade! - riu e eu levei um pedaço de bolo de cenoura à boca. Até que não é má ideia deixar ele obeso, né? Para tirar o nervosismo, mordi um nacho ali perto.
- Você já arrumou sua mala?
- Já está tudo pronto. O caminhão da mudança já levou algumas coisas.
- E o restante?
- Ficará aqui, já que vamos voltar pra cá algumas vezes. Lá tem tudo, só vamos levar o mais importante como roupas e essas coisas. - respondeu baixo arrumando o óculo. Afirmei com a cabeça. Comi outro pedaço de bolo. Depois, ataquei o cachorro quente. Ele tomou um gole do suco.
- Você vai ao baile de natal? - perguntou curioso.
- Não sei. Ashley quer muito que eu vá, diz o tempo inteiro que irei ofender a beleza dela caso não vá, mas...
- Não pode deixar de se divertir por mim. - falou ao meu lado. Baixei a cabeça. Não sabia o que responder.
- Eu apenas não quero ir, prefiro ficar com a minha família, eles virão até aqui este ano.
- E sobre sua mãe?
- Não quero falar sobre ela.
- Anna você sabe que pode falar qualquer coisa para mim.
- Tudo bem. - suspirei vencida. Tomei um pouco do suco e peguei outro nacho. - Mike disse que ela está criando coragem de pegar o telefone e ligar. É difícil pra ela ser vencida pelo orgulho.
- Ela sente sua falta.
- Imagino que não. Caso contrário não estaria tão relutante em apenas ligar. - resmunguei.
- Ela te ama, mesmo que ache o contrário. - olhou para mim. Baixei a cabeça. - E como está seu irmão? - perguntou pegando um nacho também. Ainda bem que ele mudou de assunto.
- Está bem. Descobri que ele está saindo com uma garota.
- Ela é legal?
- Acredite ou não, é a Debby. A ex-pegue "barra" rolo do Damon. Ela parece legal, mas é superficial demais.
- Ou seja, não é boa o suficiente para ele.
- Exato. Mas dessa vez vou deixar que ele descubra isso sozinho. Da última vez que interferi em alguma conquista dele, meu armário de doces amanheceu vazio. - reclamei na última parte. Deitei na grama e apoiei a cabeça em seu colo. Ele deixava carinhos maravilhosos em meus cabelos. Passamos alguns minutos assim, naquele maravilhoso silêncio.
- Quer saber? - falou de repente. O encarei a espera de respostas. - Vamos dançar. Agora. - sentei na grama sem entender nada enquanto ele se levantava e ligava o celular, pondo em uma estação de rádio qualquer, que tocava uma música qualquer, com um locutor qualquer.
- Ficou doido?
- Se importa com o que os outros vão achar se nos ver? Não deveria. E em resposta a sua pergunta, não estou nenhum pouco doido. - sorriu.
- Mas porque agora?
- Ué, é tão simples. - dizia com um sorriso idiota na cara. - Vamos dançar a primeira música que tocar. Simplesmente agir por impulso, não pensar em nada além do agora. Você e eu, nada mais. E essa será a nossa música, apenas nossa. - estendeu a mão para mim, que a peguei sem hesitar, levantando do chão.
- Isso é incrivelmente romântico. - comentei entre um sorriso. Ele segurou minha cintura, trazendo meu corpo para mais perto do seu. Pousei as mãos sobre seu ombro.
- Tudo bem, na próxima música, não importa ela qual seja, iremos dançar de acordo com o ritmo. Certo?
- Tá, mas e se for uma música agitada? - questionei e ele riu.
- Viva o momento. - sussurrou em meu ouvido. Quando a música atual tinha acabado, uma nova começou, e como prometido, nós dançamos. Ela era calma, e por mais estranho que pareça descrevia toda a nossa história. Fiquei ainda mais surpresa ao reconhecer a voz do meu cantor favorito. - Jason Derulo - What If... Hum,... Demos sorte. Não seria nada legal ter o tema musical como Candy Shop. - ri olhando para ele enquanto dançávamos. - Eu gosto dessa música.
- Gosta? - perguntei. Eu amava aquele sorriso dele.
- Sim. É sobre o cara que ama uma garota, mas não sabe o que pode acontecer se ficarem juntos, porque nenhum dos dois se conhecem. Mas pensa e se... Se eles... Se... - ele olhou brevemente para o lado e tornou a me encarar. A dança lenta não parou. - Não importa o que aconteça, essa música sempre me descreverá em relação a você. Antes você não sabia meu nome e nem olhava pra mim. Mas agora, agora que tenho você, parece que tudo a nossa volta torce contra nós. Não entendo porque não podemos ficar juntos, porque não podemos nos apaixonar e ser felizes como pessoas normais. As vezes eu me pergunto o que ele se pergunta durante a canção. E se? 
- O que vai acontecer com a gente? - perguntei baixo, alguns segundos depois que ele falou.
- Eu não sei o futuro, mas posso garantir que jamais vou deixar de amar você. - afirmou, fazendo um leve carinho em minha bochecha. - Eu acredito que há um propósito para tudo; você não está na minha vida há tanto tempo assim a toa. O que temos é muito mais importante do que imagina. Algo maravilhoso está preparado para nós. Mas na hora certa iremos saber exatamente o que fazer. Um amor verdadeiro como esse pode adormecer, mas nunca morre. - disse ele. Nunca senti seu olhar tão firme direcionado ao meu; mas não desviei meus olhos, admirando o seu perfeito tom de mel.
- Com sete bilhões de pessoas no mundo fui me amar justamente você.
- E é por isso que sou o homem mais sortudo do mundo. - sorri largo antes de sentir seus lábios em contato com os meus; o beijo mais maravilhoso de todos.


Notas Finais...
E ai, pessoas, como vão, tudo bem? Hehe nem demorei muito né, já demorei bem mais pra atualizar. Mas enfim, esse é o penúltimo cap da fic, é, ela tá acabando. Mas calma, depois do cap final tem o epílogo, vou tentar deixar tudo bem legal pra vocês. Hahaaaaaa peguei vocês, hehe. O fornico da Ash e Damon não aconteceu de verdade, lélélélé kkkk  Mas me digam, o que estão achando? Venham conversar comigo bonecas, não apreçam apenas de vez em quando, estou com saudades das minhas doritas. Apareçam flores. Ainda querem uma continuação? Eu estou disposta a fazer, só basta vocês quererem. Mas bem, acho que é isso. Espero que tenham curtido bastante, venham conversar comigo e beijocas flores do meu jardim :D
Foto do piquenique: http://2.bp.blogspot.com/-rZE4BeePUXE/T3nzDT4MeDI/AAAAAAAA1w0/pdjZ3QirtW0/s1600/pic+-+comida+mesa+posta+piquenique.jpg

0 comentários:

Postar um comentário

About

 

Fanfics para Belieber Template by Ipietoon Cute Blog Design and Bukit Gambang