3 de mai de 2014

My Dear Nerd - Heart by Heart - Capítulo 7 - O Garoto Novo

POV ANNA
- Não podemos simplesmente pensar que a Arte efêmera, é o tipo de obra que não dura por um longo tempo. Afinal, como todos nós nessa sala temos telefones celular, creio eu, com apenas um clique, a imagem pode ser eternizada. - falei para o professor, em resposta a sua pergunta. Era dia de apresentação de trabalho individual sobre Arte Efêmera, e eu acreditava estar me saindo muito bem. Em uma pequena mesa de rodinhas a minha frente, estava um lindo desenho uma abelha de tamanho médio, usando apenas doritos e queijo derretido. Foi um sufoco trazê-lo para a escola, com aqueles ladrões de comida que moram comigo. Um dia desses, peguei Justin comendo meu Ruffles Cebola & Salça, enquanto assistia a tv à cabo(outra noite que ele passou sem amorzinho gostoso).
- Porém aí, vamos para outro tipo de arte. Como já foi explicado, arte efêmera é tudo aquilo que não dura por muito tempo, e por tanto, a obra em sí não durará por anos ou séculos. No caso, o que está tentando me dizer é que esse tipo de arte não está sozinho, já que é acompanhado muitas vezes pela fotografia. - discursou meu professor, enquanto eu tentava me concentrar no trabalho e não na comida a minha frente. Mas aquilo era um trabalho muito complicado.
- Exatamente. - concordei, dando um passo a frente e ficando mais perto da mesa. Só precisava ter o cuidado de não sentir muita fome e comer tudo na frente de todo mundo. - E é fácil percebermos que esse é o melhor tipo de arte, porque só existe "aquele" momento para ser apreciada e é emocionante ver e até mesmo participar de todo o processo. Talvez seja por isso que mesmo registrando em fotografias, a emoção e o modo de observá-la é muito diferente da real. Por isso eu trouxe esse exemplo para vocês verem. - apontei a minha obra de arte com doritos para a turma.
- Vamos poder comer sua obra depois? - perguntou um menino ao fundo.
- Nem em sonho. - a turma riu, e eu continuei. - E se tentar eu vou te chutar até perder esse seu traseiro gordo aí.
- Com tudo... - disse o professor, interrompendo a minha pequena conversa ameaçadora com aquele garoto de olhos verdes que me lembrava muito o Frad. - Adorei a apresentação do seu trabalho, e a criatividade que teve em demonstrar para nós como isso tudo funciona.
- Obrigada. - sorri agradecida. Mas ainda de olho no danadinho que propôs comer minha obra de arte.
- Então estão todos liberados. - ele concluiu, e parecia que uma avalanche humana passava por mim tão rápido que mal tive tempo de puxar a mesa com minha comida mais para trás. Quando apenas poucos restavam ali, ou seja, Caitlin, Kris a garota dos fones de ouvido, que guardava suas coisas para sair da sala como o outros, o professor e eu. Vi minha amiga morena (e mais alta do que eu) andar em minha direção, trazendo minha bolsa em uma das mãos.
- Adorei a apresentação do seu trabalho. - falava ela, me observando guardar a comida em um recipiente mais adequado. - Você vai comer isso quando? - perguntou ela, parando ao meu lado.
- Quando estiver sozinha para que ninguém me peça um pedacinho.
- Até mesmo a Amora?
- Até mesmo ela. - concordei e ela riu. - Acha o que? Que vou me "derreter" toda vendo aqueles olhinhos fofos me  observando? Não vou resistir. - peguei minha bolsa, enquanto minha amiga gargalhava de forma contida ao meu lado. O professor chega mais perto, com sua velha prancheta de avaliação.
- Você realmente fez tudo sozinha? - perguntou ele, curioso.
- Sim senhor. E acordou durante a madrugada para dar os ajustes finais. - disse Caitlin, respondendo por mim. - Acordou todo mundo com aquela barulheira toda. Eu avisei pra ela fazer algo legal enquanto todo mundo tivesse acordado.
- Mas eu tive a ideia de fazer isso durante a noite, não posso fazer nada! - me defendi, como sempre faço quando Justin descobre que comi alguma coisa dele, ou quando não vou muito bem na aula particular de cálculo ou álgebra. - E além do mais, esqueci de fazer uma carinha mais redondinha pra esse desenho. Ah, e vale lembrar que se fizesse quando todos estivessem acordados, vocês comeriam tudo.
- Eu gostei muito do seu trabalho, muito bem desenvolvido. - ele escreveu algo na prancheta. -Tirou a nota máxima, Anna Mel. Muito bem.
- E eu, professor? - perguntou Caitlin, entusiasmada.
- Nota máxima também, senhorita. Teve um ótimo desempenho no desenvolvimento e apresentação do trabalho. - respondeu ele com um sorriso sincero nos lábios. - E pra falar a verdade, vocês são as alunas que mais se esforçam nas aulas e nas apresentações. Os outros não querem nada com a vida.
- São um bando de retardados. - falei dando de ombros e ele riu.
- Não sabem o que estão perdendo, mas o senhor precisa saber que eu sempre estou lá para 'puxar' a orelha dela. - a voz de Justin atravessou os meus ouvidos da mesma forma que ele entrou na sala com as mãos nos bolsos e sorriso brincando nos lábios. Parou ao lado de Caitlin, enquanto eu ainda podia ouvir a risada do professor. Deve ser um tipo de piada nerd ou qualquer coisa do tipo.
- Não sabia que ele precisa puxar sua orelha pra você fazer os trabalhos, Anna. - brincou ele, ainda rindo.
- Mas como assim? Eu lembro sempre de fazer os trabalhos, eu faço tudo sozinha. Até levo chutes da minha outra amiga loira por acordá-la no meio da noite! - argumentei na defensiva.
- É verdade. Adorei ver Ashley correndo atrás da Anna com um esmalte cor de rosa. - comentou Caitlin rindo como uma idiota. Fiz bico. - Ri tanto que cai da cadeira. - afirmou ela. É mesmo, ela caiu da cadeira de tanto rir. Ela faz isso com muita frequência.
- Qual é, esse é o dia de "chatear" a Anna? - resmunguei cruzando os braços. Todos riram. De novo.
[...]
- Dá pra você parar de tentar roubar a minha comida? Mas que feio, Cait! - reclamei, puxando o prato de comida mais para perto de mim. Esse, realmente é o dia de chatear a Anna.
- Até hoje tento descobrir porque você consegue comer tanto e não engordar. - disse Ashley, na mesa a frente, quase lambuzando a cara inteira de torta de limão.
- Eu também não sei como isso funciona, mas gosto disso. Acredite.
- Eu sei que gosta, por isso não para de comer.
- Sabe como é, né? - dei de ombros com um sorriso.
- Não, não sei não. - discordou e sua carinha engraçada me fez sorrir.  - Me falaram que tem um aluno novo por aí. Muito bonito por sinal. Mas acho que ele não viu minha beleza linda no meio de tanta gente feia naquele corredor enorme.
- Como é que é? - Damon se virou para ela, parecendo indignado. - Mas e eu? Você pode tirar o cavalinho da chuva e esquecer esse cara! Tá pensando o que? Eu hein!? - reclamou enciumado, sendo muito fofo e apertável. Ela deve ter achado a mesma coisa, porque apertou as bochechas dele, feliz pela reação do namorado.
- Tá tudo bem, fofinho! Não precisa ficar com ciúmes, ele é fofo, mas você é muito mais "tudo" do que ele. Tudinho mesmo mesmo mesmo mesmo. - tentou tranquilizar, mas ele ainda continuou resmungando até receber um beijo na bochecha da loira. Okay, eles se merecem, são dois doidos.
- Qual o nome e a idade? Faz que curso? Tem algum parente por aqui? - Caitlin perguntou em disparada, sem nenhum tipo de vergonha em demonstrar interesse. Acho que vi uma pontada de ciúmes no rosto do meu irmão boboca. Lá estava a Cait doida por garotos novamente.
- Porque você está tão interessada nesse cara? Nem conhece ele direito.
- Mas vou conhecer, ué!
- Como é que é? Não quero ver você perto dele nem pintada de outro e banhada de diamante.
   Levantei da mesa (já tendo deixado o prato de comida vazio, porque não sou idiota) pus a bolsa no colo e me despedi dos meus amigos, dizendo que tinha esquecido um porta retrato muito querido no meu antigo quarto da faculdade. O que era verdade, mas adorei usar aquilo como desculpa porque não aguentava mais ouvir aqueles dois brigando por ciúmes bobos. Pareciam casados, cara!
   Deixei um beijo nos lábios do meu namorado e sai da lanchonete perto da faculdade, passando pelo campus. Muitas pessoas, gente rindo, brincando e falando comigo. Pois é, acredite se quiser, eu sou popular aqui também. Atravessei a porta principal e subi alguns degraus na maior preguiça. Quando olhei para baixo, já no primeiro andar, senti meu corpo ser arremessado ao chão. Quando olhei para frente, foi que entendi que tinha esbarrado em alguém. Mais precisamente um garoto. Eu e minha velha mania de esbarrar nas pessoas.
- Me desculpe, não te vi aí. - falei para o garoto que me ajudou a levantar do chão. Tá, eu admito, ele era realmente bonito. Damon vai precisar se cuidar um pouco mais. - Eu tenho essa mania de esbarrar nas pessoas. Se não me cuidar, vai acabar virando alguma profissão maluca. - gesticulei com as mãos.
- Tudo bem, isso acontece. - ele deu um sorriso de canto, mostrando um pouco da fileira perfeita de dentes brancos perfeitos.
- Você é o aluno novo, não é?
- Eu e mais alguns. - manteve o sorriso, os olhos não saiam de mim. - Você deve ser Anna Mel, se estiver certo.
- É, mas como sabe meu nome? Quero dizer, essa faculdade é enorme e...
- Você é muito popular por aqui. - deu um passo a frente, e aquilo me fez engolir a seco. - Poderia me mostrar tudo isso, não é? Você deve conhecer esse lugar muito bem.
- E conhece. - a voz de Justin atrás de mim atingiu meus ouvidos antes mesmo que pudesse formular alguma resposta para o garoto bonito a minha frente. Virei e vi que ele estava na companhia de Caitlin, que não parava de olhar para o rapaz. - Olá, querida. - me abraçou e beijou a minha bochecha. Ele não parecia nem um pouco afetado pela beleza do garoto. - Como vai, cara? - perguntou Justin educado, e ambos deram um aperto de mãos.
- Estou ótimo, obrigada pelas dicas. Me ajudaram bastante. - agradaceu o moreno bonitão.
- Por nada. - sorriu. - Pelo visto já conheceu minha namorada. Anna esse é John. - apresentou Justin, e percebi que não tinha perguntado o nome do rapaz. Cait permanecia anciosa perto de nós. - Ah, e John, essa é Caitlin.
- Oi. - sorriu tímida. Acho que ela brigou com o meu irmão de novo. Ele sorriu pra ela, e acho que ela estava delirando por dentro com aquele gesto.
- Anna está ocupada agora, mas acho que a Caitlin não se importaria de levá-lo para conhecer melhor o lugar. - sugeriu meu nerd. Os olhinhos azuis dela pareciam brilhar. O garoto se virou para ela.
- Não quero incomodá-la, se não puder entenderei perfeitamente. - disse.
- Não, de forma alguma, será um prazer. - respondeu ela um pouco rápido demais. Oh sim, eu sei o quanto vai ser "prazeroso" pra ela esse pequeno passeio.
- Foi muito bom conhecê-la, Anna. Seu namorado falou muito de você nos poucos momentos em que pudemos nos falar. Vejo vocês por aí. - disse por fim, dando o braço para Caitlin segurá-lo. Os dois logo desapareceram de nossas vistas, e pude enfim dar um beijo longo no meu nerd, quando finalmente estávamos a sós no meu antigo quarto de faculdade. Ele me segurava pela cintura, comigo sentada em seu colo, sentados na cama de solteiro, e sorri para ele.
- Ele é seu amigo desde quando? - perguntei curiosa.
- O conheci hoje, mas parece ser um cara legal. - passou as mãos pela minha perna.
- Pareciam se conhecer há muito tempo.
- Foi a impressão que teve? - segurou o riso.
- Uhum. - concordei beijando-o novamente. - E acho que Caitlin achou a mesma coisa. - rimos juntos, supondo o que se passava na cabeça da nossa amiga.
- Vi os olhos dela brilharem enquanto segurava o braço dele. - comentou rindo. - Mas não quero falar sobre ele. - uma de suas mãos seguraram minha cintura, me trazendo para mais perto de si.
- Então o que quer fazer?
- Isso aqui. - ele respondeu em um sussurro, antes de estarmos com os lábios grudados de novo. Minhas mãos faziam pequenos carinhos em sua nuca, enquanto sentia a mão dele avançar pela minha perna. Os toques mais firmes, o beijo mais quente sugeriam claramente que ele queria muito mais do que um beijo. Aproveitando isso, rebolei bem forte e devagar em cima dele, e senti seu membro despertar. A mão que segurava minha cintura, foi para minha bunda, dando um apertão ali.
- Mas como você é safado! - fingi surpresa quando desgrudamos nossos lábios.
- Você de deixou de castigo por quase dois dias. E durante isso, ficou me provocando o tempo todo. Como achou que eu fosse resistir? - se defendeu, o que me fez rir. - Você é gostosa!
- Eu não estava provocando...
- Você dormiu apenas de roupas íntimas, tomou banho comigo e fez insinuações por um bom tempo. - argumentou e gargalhei diante de seu sofrimento. - Sem mencionar ontem a noite, quando você ficou pegando no meu pinto por debaixo das cobertas na hora do Cine Pipoca.
- Não fiz isso, eu sou um anjo. - ri, lembrando que nossos amigos estavam bem do nosso lado e o coitado tinha que fingir que nada de mais estava acontecendo. Tá, foi muito engraçado brincar com ele.
- Acho que mereço um perdão absoluto depois de todos esses dias de sofrimento. - sugeriu. - Além do mais, ajudei você com o pudim ontem..
- Não preciso de ajudar pra fazer qualquer comida que seja, você estava apenas se aproveitando. - arqueei a sobrancelha e ele riu.
- Você quem começou tudo. - mordeu os lábios apertando novamente meu traseiro.
- E sou eu quem vai acabar com isso. - sorri de forma nada inocente para ele. - Mas no próximo castigo, pare de se comportar como um cão no cio.
- Próximo castigo? Cão no cio? Eu não me comportei assim, e como você já pode estar pensando em um futuro castigo? - perguntou indignado e resolvi calá-lo com um beijo. Bem, deu certo. Ele nem protestou, na verdade até aproveitou, me trazendo para o mais perto que podia. Rebolei em seu colo e sua mão saiu do meu traseiro e tirou meu casaco cinza, sem interromper o beijo. Senti suas mãos nos meus braços desnudos, enquanto sua boca avançava para meu pescoço. Nos separamos por um momento para que eu tirasse sua camisa de mangas e o óculos dele. Ele me olhou e sorriu.
- Você é o borrão mais sexy que já vi na vida. - disse e ri baixo, beijando-o novamente. Senti os dedos de Justin por baixo da minha camisa, fazendo pequenos carinhos na minha barriga, subindo cada vez mais, até encontrar meus seios, onde apertou-os por cima do sutiã. Gemi baixo em sua boca, e nos interrompemos mais uma vez para que ele retirasse minha blusa. Deixei minhas mãos em seus ombros, enquanto sentia sua boca caminhanho graciosamente pela minha pele, deixando rastros de beijos e mordidinhas por onde passava. Deixou um selinho no espaço entre meus seios e beijou-me novamente. Enrrolei minhas pernas ainda mais ao redor dele, e finalmente estávamos deitados na cama.
 Em cima de mim, ele se apoiou na cama com os joelhos e tirou meu sutiã com muita faciliadade. Deitou por cima do meu corpo e nos beijamos novamente. No momento em que sua boca se deliciava com meus seios, meu celular tocou, em cima da mesinha de cabeceira perto de nós. Ignoramos a chamada, intrertidos demais no que faziamos, entrertida demais com a boca de Justin me sugando. O telefone tocou pela segunda vez, e novamente o ignoramos, avançando ainda mais nos carinhos. Na terceira, porém, irritada demais com aquela interrupção, peguei o celular e atendendo a chamada, sem sequer olhar para o identificador de chamadas.
- Você tem noção do quanto está sendo irritante? Quem é você e o que quer? E fale logo. - respondi grosseira. Justin permaneceu deitado sobre mim, esperando que eu finalmente encerrace a ligação.
- Calma, nervosinha.
- O que você quer Mike? - perguntei impaciente e Justin bufou irritado ao meu lado.
- Onde você está?
- Não interessa! A pergunta certa é o que você quer comigo?
- Preciso que venha para casa agora. É importante. Te vejo em dez minutos. - depois disso, encerrou aligação, sem dar tempo o suficiente para que eu respodesse algo.
- O quão importante é? - perguntou meu nerd, um pouco irritado. Sentou ao meu lado na cama, onde pude ver o volume que insistia em aparecer ali.
- Quando ele desliga desse jeito, é porque é muito importante. - respondi. Pude ouví-lo resmungar um "Mas que droga!".  - Sinto muito.
- Tudo bem. Acho melhor você se arrumar, enquanto eu dou um jeito nesse garotão. - disse apontando para suas partes baixas. Mordi os lábios e me ajoelhei de frente para ele, os peitos a mostra, o corpo em uma posição que ele já conhecia muito bem.
- Quem disse que você dará um jeito? - entendendo o recado, se apressou em tirar o cinto, abaixar as calças e a cueca. Sorri, começando com meu trabalhinho prazeroso, ouvindo-o gemer baixo por mais.
[...]
- Que saudades eu sinto de comer isso! - exclamei de boca cheia, muito feliz por sinal. Justin ria, andando com o braço enlaçando minha cintura de lado. Atravessavamos a esquina para nossa casa, e apesar do dia estar nublado, me sentia feliz. - Há quanto tempo eu não como um Ruffles assim?
- Faz 40 minutos, Anna. - respondeu ele, rindo.
- Faz muito tempo. - argumentei, ofendida.
- A propósito, o que você fez com aquela abelha de doritos? - perguntou curioso.
- Está bem guardada, sã e salva. E nem tente procurar por ela durante a noite, você nunca vai achar.
- Nunca diga Nunca. - piscou.
- Quer ficar de castigo de novo?
- Tudo bem, me calei. - ergueu uma das mãos se rendendo. Rimos e abri a porta de casa com mais rapidez do que esperava. Logo vi meu irmão, parado de frente para a porta e perto do sofá.
- Finalmente você chegou, pensei que não viria nunca. - foi a primeira coisa que ele disse assim que me viu. Revirei os olhos.
- O que você quer, bobão? - perguntei, segurando o pacote de Ruffles cebola e salça na mão.
- Já pode vir. - meu irmão disse para alguém, que provavelmente estaria na cozinha. Não pude conter o espanto e a felicidade com o que vi.
- Mãe?
- Olá, querida.


Notas Finais
Oi gente! Nossa! Há quanto tempo eu não atualizo essa fic? Parece até uma eternidade, e, UAL, como eu sinto saudades disso. Eu sei que vocês, provavelmente, estão querendo chutar meu traseiro, isso se alguém ainda lê essa fic, mas mesmo assim peço desculpas. Estou realmente muito atarefada com a escola, faço 3 ano do ensino médio, então é muito puxado. Trabalhos enormes, apresentações pra resolver a atividades de matemática todos os dias estão consumindo meu tempo quase inteiro.  Consegui escrever hoje, não achei o cap muito bom, mas mesmo assim espero que tenham curtido. Nos vemos em breve, pessoal. Muitos beijos, mini doritas :D
Roupa da Anna: http://data1.whicdn.com/images/106109508/large.jpg
                           

1 comentários:

  1. Esse cap. Foi muiiiito engraçado , sério kk' sabia que eu sou ninguém?! Pq ninguém é perfeito u.u
    Vc ta no 3° ano O.O mentira -'
    Continua ;))
    Bezus :*

    ResponderExcluir

About

 

Fanfics para Belieber Template by Ipietoon Cute Blog Design and Bukit Gambang